Vida e Obra de Júlio Ferry do Espírito Santo Borges

por José Manuel Catarino e António Manuel Baptista, investigadores do LNEC

Júlio Ferry do Espírito Santo Borges foi um dos fundadores e primeiro presidente do GPPE (Grupo Português de Pré-Esforçado, antecessor do GPBE), representante nacional na FIP (Fédération Internationale de la Précontrainte, antecessor da fib). O GPPE, criado em 1966, tinha como principal objetivo a divulgação de informação relacionada com a utilização de tecnologias de pré-esforço em betão estrutural, promovendo visitas técnicas, palestras e outras reuniões científicas. Esta associação conseguia, assim, juntar os diversos intervenientes nesta temática, tais como projetistas, empreiteiros, fornecedores de sistemas, donos de obra, investigadores e docentes. A presidência do GPPE por Júlio Ferry Borges contribuiu também para proporcionar relações de muita amizade e estima entre os seus membros, apenas possível pela sua vontade expressa e capacidade de, assim, reforçar a colaboração entre todos.

A presente nota biográfica refere o percurso de Júlio Ferry do Espírito Santo Borges nas diversas temáticas da engenharia de estruturas que mereceram o seu maior interesse e resume a sua contribuição em diversos tipos de atividades para entidades nacionais e internacionais, baseando-se num texto do Investigador do LNEC Vítor Monteiro. Os autores desta nota tiveram o privilégio de colaborar com o “Engenheiro Ferry”, uma excelente experiência que nunca se esquece. Este é o sentimento de todos os que o conheceram.

Mundialmente reconhecido

Júlio Ferry do Espírito Santo Borges foi uma das mais destacadas figuras da engenharia civil portuguesa, em particular da engenharia de estruturas.

Como investigador mundialmente reconhecido, evidenciou invulgares capacidades de inovação e elevado espírito científico, abordando domínios tão importantes como fiabilidade estrutural, betão armado e pré-esforçado, engenharia sísmica, modelação física e numérica de estruturas, monitorização de estruturas, garantia e gestão da qualidade das obras e ética da engenharia.

Biografia

Nasceu em Lisboa, em 1922, e concluiu, em 1945, o curso de engenharia civil do Instituto Superior Técnico, com a mais alta classificação do Instituto nesse ano.

Em 1943, ainda aluno do IST, foi colaborador de Manuel Rocha no Centro de Estudos de Engenharia Civil, uma das bases da criação, em 1947, do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC). Integrou o LNEC desde a primeira hora, onde desempenhou as seguintes funções a partir das datas indicadas: Chefe da Secção de Estruturas (1959), Chefe do Serviço de Edifícios e Pontes (1962), Subdiretor (1969), Diretor (1974) e Presidente do Conselho Consultivo (1984). Ferry Borges contribuiu decisivamente para o reconhecimento do LNEC, nacional e internacionalmente, como instituição de investigação de referência e grande escola da engenharia nacional.

Em 1948/49 estagiou no Instituto de Cimento e Betão de Estocolmo, tendo efetuado estudos no domínio das estruturas e do betão armado.

A tese que apresentou, em 1954, ao concurso para obtenção do grau de Investigador do LNEC, sob o tema “Dimensionamento de Estruturas”, é um trabalho notável que veio a constituir o quadro orientador de toda a atividade de investigação no domínio das estruturas realizada neste Laboratório Nacional, da qual foi indiscutível maestro e o mais brilhante solista.

Em 1955 foi nomeado vogal do Conselho Superior de Obras Públicas, tendo colaborado e presidido às Comissões para a preparação de vários regulamentos de segurança e ações em edifícios e pontes, e de estruturas de betão armado e pré-esforçado (RSEP e RSA, REBA e REBAP).

O primeiro Centro de Cálculo Ciêntifico do País

Se à data da elaboração da sua tese não se podia antever a revolução que os computadores viriam a determinar na engenharia civil, muito oportunamente Ferry Borges se apercebeu dessa realidade, criando no LNEC o primeiro centro de cálculo científico do país e promovendo, já em 1962, um simpósio internacional sobre esta temática. Os métodos de análise estrutural que o LNEC desenvolveu sob a sua orientação foram adotados pelos projetistas americanos da ponte suspensa sobre o Tejo em Lisboa, inaugurada em 1966, tendo sido também consultor do Gabinete da Ponte sobre o Tejo.

A sua tese foi ainda um trabalho pioneiro no que se relaciona com a utilização, em engenharia civil, de técnicas e conceitos estatísticos, e contribuiu decisivamente para a formulação, hoje consagrada, da segurança estrutural como disciplina da engenharia de estruturas. Foi este o domínio em que mais continuadamente trabalhou e que mais o tornou conhecido internacionalmente. A sua obra Structural Safety, cuja primeira edição é de 1968, é uma referência fundamental neste campo nuclear da engenharia estrutural, adotada como livro de texto em várias universidades estrangeiras, tendo ele próprio regido cursos sobre este tema em Berkeley, ISPRA e Universidade de S. Paulo. Foi Relator e Presidente do Joint Committee on Structural Safety desde a sua fundação, em 1972, vindo a ser posteriormente Presidente Honorário.

Os trabalhos desenvolvidos por Ferrry Borges no domínio da segurança estrutural foram quase sempre em coautoria com o Investigador do LNEC Mário Neves Castanheta, seu principal colaborador.

O contributo para a engenharia sísmica

Deu contribuições notáveis para o progresso dos conhecimentos na área da Engenharia Sísmica, entre os quais se destaca a participação muito ativa no Simpósio sobre a Acção dos Sismos, organizado pela Ordem dos Engenheiros em 1955, por ocasião do bicentenário do sismo de 1755, no qual foram lançadas as bases para a consideração da ação dos sismos no cálculo das estruturas, constituindo assim o que muitos consideram ser o evento fundador da moderna Engenharia Sísmica Portuguesa. Também o Curso Earthquake Engineering, publicado em 1969, em colaboração com o Investigador do LNEC Artur Ravara, pode ser considerado um marco neste domínio da engenharia.

Qualidade, Segurança e Ética

Realizou e orientou estudos sobre fendilhação, deformação, rotura e resposta não linear de estruturas de betão armado e pré-esforçado, e presidiu ao Comité Euro-Internacional do Betão (CEB), de 1977 a 1983, tendo sido posteriormente eleito como Presidente Honorário. Em 1973 realizou no LNEC um Curso Internacional de Betão Estrutural, que muito influenciou a ação do CEB e a investigação neste domínio.

Ferry Borges defendeu a aplicação de metodologias de garantia e gestão da qualidade através da aplicação das técnicas de controle de qualidade, de gestão e dos vários ramos das ciências humanas à resolução dos problemas da construção. Esta visão foi desenvolvida com o seu brilho habitual no seu curso Qualidade na Construção, publicado em 1988.

Defendeu a necessidade de uma cultura de segurança e a aplicação das ciências sociais ao setor da construção, propondo que se considerasse a componente ética da engenharia como novo domínio de investigação. Assinala que a rápida evolução da técnica e o seu enorme impacto na vida das sociedades modernas impõem a consideração de aspetos éticos para além dos de natureza técnica, económica e política, em particular no que se interliga com a proteção do meio ambiente, a conservação dos recursos naturais, a distribuição equitativa de custos, benefícios e riscos, e com a implementação de progressos tecnológicos.

A sua publicação Human Motivations, Ethics and Justice traduz bem esta mensagem, que é aliás retomada também no seu último trabalho, Proteção contra Catástrofes Naturais, que concluiu na véspera da sua morte e que já não pôde apresentar no simpósio realizado no LNEC sobre este tema, em novembro de 1993.

Betão armado

Foi autor de vários projetos de estruturas de betão armado, construídas em Lisboa, nomeadamente dos edifícios da lota do Porto de Pesca, do Palácio da Justiça, do Teatro Nacional e da sede do Banco Espírito Santo.

Participou na organização e regência de vários cursos internacionais que tiveram lugar no País: Curso sobre a Utilização de Computadores em Engenharia Civil (1955), Curso sobre Aplicações da Teoria Estatística de Extremos à Engenharia (1967), Curso sobre Aplicação do Método de Elementos Finitos na Mecânica do Contínuo (1971), Curso de Betão Estrutural (1973) e Curso ISPRA de Fiabilidade Estrutural (1989).

Foi responsável pela organização de cursos de especialização no LNEC, tendo regido os seguintes: Betão Armado e Pré-esforçado, Segurança Estrutural e Engenharia Sísmica.

Regeu vários cursos no estrangeiro, nomeadamente:

  • Cursos de Engenharia Sísmica, no Instituto Internacional de Engenharia Sísmica, Bergamo, (1967, 1968, 1969 e 1971);
  • Curso de Segurança Estrutural, na Universidade de Berkeley (1970);
  • Curso de Segurança Estrutural Aplicada à Engenharia Sísmica, no Instituto Internacional de Sismologia e Engenharia Sísmica, em Tóquio (1971);
  • Curso de Segurança Estrutural, na Escola Politécnica da Universidade de S. Paulo (1975).

Em maio de 1982 foi-lhe concedido, por proposta dos professores do IST, o grau de Doutor Honoris-Causa pela Universidade Técnica de Lisboa. Em 1984, foi nomeado Conselheiro desta mesma Universidade. Em 1989 foi-lhe concedido o grau de Professor Honoris-Causa da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em 1991 foi-lhe concedido o grau de Doutor Honoris-Causa da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Como Professor Catedrático convidado do IST lecionou as disciplinas de Fiabilidade Estrutural, Garantia da Qualidade e Ações em Estruturas, nos cursos de Mestrado em Engenharia Estrutural e em Construção organizados por este Instituto a partir de 1981. Ao abrigo do Convénio entre o LNEC e a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, colaborou no curso de Mestrado em Construção organizado nesta Faculdade em l985/86.

Membro fundador de várias associações científicas portuguesas desempenhou funções de Presidente da Direção da Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica, do Grupo Português de Pré-Esforçado (atual Grupo Português de Betão Estrutural) e do Grupo Português de Engenharia de Estruturas (atual Associação Portuguesa de Engenharia de Estruturas). Foi membro correspondente da Academia das Ciências de Lisboa.

Participou ativamente em várias associações internacionais, tendo nelas exercido as funções adiante descritas:

  • Membro do Conselho de Administração do Comité Euro-Internacional do Betão (CEB); foi eleito Presidente em 1977, cargo que desempenhou até 1983, tendo então sido eleito Presidente Honorário;
  • Membro Honorário do Instituto Americano do Betão (ACI);
  • Membro Honorário da Associação Italiana para o Betão Armado e Pré-Esforçado (AICAP);
  • Relator do Comité Conjunto de Segurança Estrutural (JCSS), desde a sua criação em 1972 até 1985; Presidente do plenário do referido Comité de 1985 a 1989, tendo então sido eleito Presidente Honorário;
  • Diretor e Vice-Presidente da Associação Internacional de Engenharia Sísmica (IAEE);
  • Vice-Presidente da Associação Europeia de Engenharia Sísmica (EAEE);
  • Membro do Conselho Diretivo e da Comissão de Programação do Conselho Internacional da Construção (CIB);
  • Membro do Conselho Geral da Reunião Internacional dos Laboratórios de Ensaios de Materiais e Estruturas (RILEM);
  • Vice-Presidente da Federação Internacional do Pré-Esforçado (FIP);
  • Vice-Presidente da Comissão I da Associação Internacional de Pontes e Estruturas (AIPE); foi nomeado Membro de Honra desta Associação em 1989.

Foi Presidente da Secção Portuguesa da Societé des Ingénieurs et Scientifiques de França. Atuou como consultor da UNESCO em relação a problemas de engenharia sísmica e de política geral de proteção contra catástrofes.

Foi membro dos conselhos editoriais do International Journal of Structures, do International Journal of Earthquake Engineering and Structural Dynamics e da Revista Structural Safety.

De 1986 a 1990 foi membro da Comissão para o Desenvolvimento da Ciência e da Tecnologia na Europa (CODEST), da Comissão das Comunidades Europeias. Na mesma Comissão pertenceu ao Conselho Diretivo e ao Grupo Coordenador dos Eurocódigos. Em 1990 foi nomeado representante nacional no Comité-Técnico TC1 - Resistência Mecânica e Estabilidade das Construções. Em 1991 foi eleito presidente da Comissão Portuguesa CT115 - Eurocódigos Estruturais.

Em 1992 foi eleito Membro Honorário da Academia Nacional de Engenharia do Rio de Janeiro. Publicou, isoladamente ou em colaboração, mais de 170 trabalhos. De entre as publicações há a destacar os textos dos cursos de segurança estrutural e de engenharia sísmica, editados em inglês. O Curso de Engenharia Estrutural foi traduzido para romeno e publicado pela Editora Technicã em 1973. O Curso de Engenharia Sísmica foi traduzido em russo e editado na União Soviética em 1978.

Preferiu conferências em várias instituições portuguesas e estrangeiras, em cerca de 20 países. A Conferência Manuel Rocha, proferida em 1984, veio a dar origem ao Curso sobre Qualidade na Construção publicado no mesmo ano.

Participou no Encontro em sua homenagem sobre Estudos Avançados em Betão Estrutural, na comemoração do XX Aniversário do Curso Internacional sobre Betão Estrutural do CEB realizado em Lisboa, em 1973.

Condecorado

Foi condecorado em Portugal com a Ordem de Santiago da Espada, no Brasil com a Ordem do Cruzeiro do Sul, e em França com a Ordem Nacional do Mérito.

Faleceu em setembro de 1993.

Em março de 1995 foi-lhe atribuída, a título póstumo, a condecoração de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

Em setembro de 1995, na Assembleia Plenária do CEB, em Berlim, foi decidida a criação do Prémio Ferry Borges.

Em abril de 1998, na Assembleia Geral do Grupo Português de Engenharia de Estruturas (GPEE), foi decidido implementar o “Prémio Ferry Borges de Engenharia de Estruturas”, a atribuir pela primeira vez em 1998, no âmbito da comemoração do 30º aniversário do GPPE.

Edifício Ferry Borges, do Núcleo de Engenharia Sísmica e Dinâmica de Estruturas do LNEC

Nota Final

Júlio Ferry do Espírito Santo Borges foi um cientista fascinante, criativo e inovador como poucos. Foi também um grande homem, exigente consigo mesmo e com os seus colaboradores, brilhante e surpreendente, tanto nas grandes questões científicas como nas pequenas coisas do quotidiano. O “Engenheiro Ferry” visitava frequentemente os seus colaboradores, questionando-os sobre os trabalhos em curso e dando-lhes orientação.

“... It is considered that social sciences should play an important role in the future of the construction sector. The identification of human motivations and basic values would allow a better framing and execution of rational plans of life.

Classic ethics deals mainly with the relationship between men, without taking into consideration long range consequences. There is the urgent need to extend ethics domain to the relationship between man and the environment. The technologic power of man is becoming so great that it endangers the humanity survival.

Technical problems have in general ethical and social components. General principles of social justice are exercising an important influence on moral and political philosophy. These principles should be applied also in the construction sector”

Ferry Borges, 1993 – extraído de Human Motivations, Ethics and Justice

Newsletter Construção Magazine

Receba gratuitamente no seu email todas as novidades e eventos sobre Engenharia Civil.