Métodos antigos de tratamento de madeiras em Portugal

A indústria da construção civil procura novas soluções sustentáveis para reduzir o elevado consumo de recursos e produção de resíduos. Nesta pesquisa, a madeira, material com longa história na construção, é frequentemente apontada como o material de construção do futuro.

A durabilidade da madeira

Ironicamente, os fatores que classificam a madeira como a matéria-prima de eleição, muito associados ao facto de se tratar de um material natural, são os mesmos que assombram a indústria da madeira no seu ponto mais fraco, a durabilidade. A questão da durabilidade da madeira foi resolvida durante o último século, maioritariamente com recurso a produtos preservadores nocivos à saúde e ao meio ambiente e que têm vindo a ser retirados do mercado desde o final do séc. XX. Presentemente, a indústria da madeira procura um avanço tecnológico que permita encontrar um equilíbrio entre a proteção ambiental e a preservação de um material que, desejavelmente, terá um papel crucial no futuro da construção.

A história dita o futuro

Considerando que a madeira é um dos mais antigos materiais de construção e que a questão da durabilidade aos agentes biológicos está presente desde os primórdios da sua utilização (Fevereiro, M., 2016), procurou-se fazer um levantamento histórico de métodos mais antigos de proteção da madeira, com especial enfoque no contexto nacional, através de uma pesquisa bibliográfica.

O artigo da co-autoria de Miguel Fevereiro (Inês Cabrita + Miguel Fevereiro Arquitetos), João Gomes Ferreira (Instituto Superior Técnico) e Lina Nunes (LNEC), compila um conjunto de:

  1. técnicas,
  2. receitas e
  3. métodos tradicionais

que tenham tido relevância na história da construção, tendo em vista uma eventual otimização dos que apresentem as melhores características face ao panorama atual da indústria relevante.

Newsletter Construção Magazine

Receba quinzenalmente, de forma gratuita, todas as novidades e eventos sobre Engenharia Civil.


Ao subscrever a newsletter noticiosa, está também a aceitar receber um máximo de 6 newsletters publicitárias por ano. Esta é a forma de financiarmos este serviço.