Resistência ao choque de fachadas com ETICS: a influência do isolante

Enquadramento

Os danos provocados pelo impacto de objetos, resultantes tanto do uso normal, como de atos de vandalismo, ou mesmo devido a condições ambientais (queda de granizo) são um dos maiores problemas ocorridos em zonas com maior exposição de fachadas revestidas com Revestimentos de Isolamento Térmico pelo Exterior do tipo ETICS. Estes sistemas são utilizados, quer em construção nova, quer na reabilitação térmica de edifícios, para melhoria do conforto térmico e redução de perdas de energia. Os ETICS são sistemas constituídos por vários componentes - uma camada de isolamento térmico, envolvida por uma camada de base armada com rede de fibra de vidro e revestida por um acabamento; estes constituintes, de características e funções diferentes, têm de ser compatíveis entre si.

As ações de impacto podem provocar deterioração e fissuração das últimas camadas dos sistemas, facilitando a entrada de água até ao isolante térmico, o que pode reduzir o seu desempenho térmico e a sua durabilidade.

Os ETICS com camada de isolante térmico de poliestireno expandido moldado (EPS), camadas de base de argamassas de cimento e resina sintética e acabamentos por pintura ou de revestimentos plásticos espessos são os mais usualmente utilizados em Portugal. No entanto, as empresas detentoras destes sistemas têm vindo a selecionar isolantes que envolvam um menor consumo de energia e de recursos não-renováveis na sua produção, como é o caso do aglomerado de cortiça expandida (ICB) e da lã mineral (MW). Estes dois isolantes térmicos, para além do contributo para o conforto térmico e para a redução do consumo de energia, podem contribuir para uma melhoria do comportamento acústico a sons aéreos, tendo-se determinado índices de redução sonora de 51 dB e 50 dB para paredes com ETICS respetivamente com MW e com ICB versus 44 dB para paredes simples ou com ETICS com EPS. As placas de MW ainda têm a vantagem de ter uma classe de reação ao fogo mais favorável. No entanto, os sistemas com qualquer dos isolantes referidos, revestidos pela camada de base armada e com um acabamento com um teor de matéria orgânica  inferior a 5 % podem conseguir uma classe reação ao fogo B. Presentemente, existe menor experiência e conhecimento sobre o desempenho ao longo da vida útil em ETICS com isolantes ICB e MW, o que constitui, ainda, um obstáculo à sua utilização. (...)

Sofia Malanho e Rosário VeigaLNEC

Artigo completo na Construção Magazine nº106 nov/dez 2021, dedicada ao tema 'Argamassas e soluções térmicas de isolamento'

Newsletter Construção Magazine

Receba quinzenalmente, de forma gratuita, todas as novidades e eventos sobre Engenharia Civil.


Ao subscrever a newsletter noticiosa, está também a aceitar receber um máximo de 6 newsletters publicitárias por ano. Esta é a forma de financiarmos este serviço.