Setor da construção europeu ultrapassa nível pré-crise em 2021

O setor da construção europeia ultrapassou o colapso induzido pela pandemia e deverá crescer 3,6 por cento em 2022, depois de se ter expandido 5,6 por cento em 2021 e contraído 4,7 por cento em 2020, afirmou o instituto alemão ifo.

Num comunicado, o ifo precisou que os cálculos fazem parte da rede de previsão EUROCONSTRUCT, da qual o instituto alemão é membro. Ao mesmo tempo, os serviços de construção tornaram-se mais caros em muitos lugares em 2021, tendo em oito países os preços da construção aumentado pelo menos 5,0 por cento em termos homólogos.

Na Hungria e Itália, o aumento percentual foi de dois dígitos e na Alemanha os preços aumentaram 9,1 por cento, afirmou o ifo, acrescentando que em cinco países o aumento anual dos preços em 2021 foi inferior a 3,0 por cento.

Em dez países, a atividade de construção já é maior do que a verificada antes da crise, mas em oito países, incluindo a Alemanha, a produção do setor em 2021 foi inferior à de 2019.

A construção residencial foi a que mais cresceu em 2021, com um aumento de 7,1 por cento, depois de ter caído 4,4 por cento em 2020. “A partir de 2023, espera-se que a construção residencial europeia cresça apenas marginalmente”, disse o perito do ifo Ludwig Dorffmeister.

A construção não residencial foi a mais atingida pela pandemia, com um declínio de 7,3 por cento em 2020, e continuou em 2021 a ficar atrás dos níveis pré-crise de 2019. A engenharia civil, por outro lado, mostrou apenas um decréscimo insignificante em 2020 e excedeu em muito os níveis de pré-crise em 2021.

O Instituto ifo é o membro fundador alemão do EUROCONSTRUCT, que reúne investigadores de quinze países da Europa Ocidental e de quatro países da Europa Central e Oriental.

Newsletter Construção Magazine

Receba quinzenalmente, de forma gratuita, todas as novidades e eventos sobre Engenharia Civil.


Ao subscrever a newsletter noticiosa, está também a aceitar receber um máximo de 6 newsletters publicitárias por ano. Esta é a forma de financiarmos este serviço.